Festas Juninas animam semana dos alunos do "Bom de Nota, Bom de Dança", em Mococa

07 de julho de 2017 39 visualizações 0 comentários imprimir
  • Crianças e adultos atendidos pelo projeto se vestiram com os trajes típicos e dançaram quadrilha

    No mês de junho, aparece, por todos os cantos do país, uma animada festa caracterizada por fogueiras, danças, bebidas quentes, comidas típicas e deliciosas, bandeirinhas e outras peculiaridades de cada região: é a festa junina.

    Existem duas explicações para a expressão “festa junina”. De acordo com uma delas, o termo surgiu porque as festividades ocorrem durante o mês de junho; a outra versão afirma que o nome da festa é originário dos países católicos da Europa, em homenagem a São João.

    E para comemorar uma das datas que mais simboliza a cultura brasileira, o “Bom de Nota, Bom de Dança" de Mococa promoveu, nos dias 29 e 30 de junho, festas juninas para os alunos das turmas de balé e danças urbanas. As festividades foram realizadas no Ginásio de Esportes São Clarão.

    O monitor de balé, Wesley Verolese, pediu às crianças que fossem caracterizadas com trajes típicos. “Muitas foram com vestidos de quadrilha, outras escolheram camisas xadrez. Elas também fizeram penteados e se maquiaram juntas”, disse ele.

    Durante a festa, a turma do balé dançou alguns dos passos característicos da quadrilha. A dança típica das festas juninas brasileiras é carregada de referências caipiras e matutas, mas sua origem vem de muito longe. A “quadrille” surgiu em Paris, no século XVIII, como uma dança de salão composta por quatro casais. Era dançada pela elite europeia e veio para o Brasil durante o período da Regência, por volta de 1830, onde era febre no ambiente aristocrático. Da corte carioca, a quadrilha acabou caindo no gosto do povo. Ao longo do século XIX, a dança se popularizou no Brasil e se fundiu com manifestações brasileiras preexistentes.

    “Teve galope, balancê, cumprimentos, rodas e túnel. As crianças gostaram muito de conhecer um pouco mais da dança e fazer os passos e comandos da quadrilha. Elas também adoraram ver a sala toda enfeitada com as bandeirinhas”, revela Wesley.

    Já os alunos de danças urbanas participaram de uma quadrilha estilizada, que uniu movimentos do hip hop com as músicas caipiras típicas.

     As turmas da capoeira também se divertiram com a festa junina. As comemorações aconteceram nas APAE’s - Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Mococa e de Cajuru. O professor Fabiano Ferreira conta que os alunos ficaram animados ao descobrir as roupas, coreografias e comidas típicas da festividade. “Foi um momento diferente, que trouxe muitas novidades e conhecimento”, explica ele. 

     “As festas juninas formam uma das tradições mais ricas e alegres de nosso país. Explorar datas comemorativas como esta ajuda as crianças a conhecer um pouco mais da cultura do Brasil e a identificar costumes e tradições”, avalia a assistente de coordenação do projeto, Daniela Beraldi Vecchio.

    Sobre o projeto

    A iniciativa oferece aulas de balé, danças urbanas e capoeira para cerca de 240 meninos e meninas de sete a 12 anos, matriculados na rede pública de ensino de Mococa e Cajuru. O projeto também atende adultos na modalidade de capoeira.

    A ideia central do “Bom de Nota, Bom de Dança” é apresentar uma nova perspectiva de mundo para os alunos, colocando a dança como extensão do aprendizado em sala de aula.

    O projeto atende de forma gratuita e fornece uniforme e lanche. Também trabalha a metodologia de controle de talentos, incentivando a frequência e o bom comportamento escolar.

    O Ginásio de Esportes São Clarão, em Mococa, abriga as aulas de danças urbanas e balé. Já a capoeira acontece nas APAE’s de Mococa e Cajuru.

    O patrocínio do projeto é feito pela Suporte Rei e COPROMEM, todas por meio da renúncia fiscal do ICMS (Imposto sobre Circulação de Produtos e Serviços) garantido pelo Programa de Ação Cultural do Estado de São Paulo (PROAC). Além disso, também há apoio da Prefeitura Municipal de Mococa.


    Incorporar: